Camila Dias

Um novo horizonte! Frase que definiu minha grande experiência em Chòkwé no “Hospital Carmelo de Santa Teresa do Limpopo”. Janeiro de 2012 será inesquecível. Falar dessa Instituição é fácil: Amor, dedicação, responsabilidade e ESFORÇO. Nesse período, eu e alguns colegas, estudantes de medicina, decidimos por conta própria fazer uma expedição brasileira para vivenciar e conhecer a medicina em Moçambique, mais precisamente em seus distritos e províncias.
Nesse hospital pude conhecer e “ver” de perto a realidade do que é ser o verdadeiro paciente africano, que sofre sob condições adversas, muito mais do que no meu país. Mas ao mesmo tempo, pude notar a alegria de viver, a simplicidade e hospitalidade desse povo, que mesmo diante de pouquíssimo suporte médico, suporta tanto sofrimento da forma mais humilde possível. Isso me impressionou muito e também me deixou profundamente comovida.
Nunca, em minha vida, presenciei e recebi tantos sorrisos, carinho e boa receptividade em um só local.
No orfanato, fomos recebidos, literalmente de braços abertos pelas crianças, que alegres e tão carentes queriam desfrutar ao máximo nossa presença ali. Brincavam, nos abraçavam, divertiam-se ao ver peculiaridades e costumes diferentes em nós, como o aparelho nos nossos dentes, o qual aqueles pequeninos nunca tinham visto, nem sabiam para que servia. Um simples gesto de amor, já os deixavam animadíssimos.
Compartilhamos da responsabilidade e preocupação dos médicos, técnicos médicos e de toda equipe na internação, distribuição de medicação para tuberculose, que embora seja feito manualmente é muito bem supervisionado e realizado.
Para a prática médica, tivemos a oportunidade de ver patologias relacionadas a AIDS, que no Brasil não são comuns, e que se tornam aqui, para nós, “fotos” de livros, incomuns no nosso país.
A grande receptividade foi o que nos marcou muito, a amizade que jamais esquecerei, e o carinho, tanto dos pacientes quanto da equipe do Hospital Carmelo.
Agradeço de coração a cada um, pelos dias, e pela oportunidade, porque com certeza, não existe como adentrar e sair dessa Instituição da mesma forma que entrou.
Que Deus esteja sempre presente, assim como em minhas preces que faço, iluminando os passos de cada um que ali entram e trabalham. Mãos iluminadas por ELE, para quem trabalha. E paciência e fé para os que estão em tratamento.

KANIMAMBO!!!!!

Saudades, com carinho,
Camilla Dias – Brasil 2013