Isabel Neto

Conheci o Hospital do Carmelo, e as irmãs que o tornam tão especial, há já alguns anos, pela mão de uma boa amiga.  Mas foi este ano, ao visitor o Hospital logo após as cheias, que o Carmelo me interpelou mais do que nunca: ante a realidade que se vivia naqueles dias, não houve como ficar indiferente. O matope por todo o lado (e já bem melhor que nos dias imediatemente após as cheias), tanta coisa irremediavelmente perdida, mas acima de tudo a miséria e a vulnerabilidade humanas.  

Temos/tenho uma vida muitíssimo previligiada, e esquecemos tão facilmente o que outros, mais fracos e mais humildes, vivem no dia-a-dia. E afinal é tão fácil dar de nós para partilhar com quem precisa.  E podemos realmente fazer a diferença.

Ao Hospital do Carmelo tenho de agradecer por todo o trabalho e amor aos que mais sofrem, mas também pela inspiração de me abrir os olhos e me pôr a caminho – não há dúvida que é dando que se recebe!

Estamos juntas Madalena, Elisa. Juntas no serviço mas também na amizade! Obrigada por tudo o que fazem, e também pelo humanas que são! O que precisarem, contem comigo.